Mídias Sociais

Cidades

Região dos Lagos também tem mobilização ligada a Greve Nacional

Publicado

em

 

Em Cabo Frio, três escolas ficaram sem aula

Thaiany Pieroni

 

A mobilização contra as reformas trabalhistas e previdenciárias, intitulada como Greve Geral, também chegou a Região dos Lagos. De forma, considerada pacífica, a região teve algumas interferências devido ao ato.

Pela manhã, os sindicalistas foram os primeiros a chegaram na Praça Porto Rocha, onde sensibilizaram populares. Depois de se concentrarem na Praça Porto Rocha, os manifestantes seguiram Avenida Assunção, Canal e foram para a ponte Feliciano Sodré, que foi bloqueada por volta das 11h15. Cerca de 15 minutos depois a pista foi liberada e os manifestantes voltaram pelo Itajuru até a antiga estação da Prolagos.

Ainda em Cabo Frio, três escolas municipais ficaram totalmente sem aulas na manhã desta sexta-feira, 28. Sendo elas, Justiniano de Souza, no bairro Botafogo, Prof. Achilles Almeida Barreto, no Porto do Carro e Professora Catharina Silveira Cordeiro, no Monte Alegre. Mas, segundo o Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe), as atividades foram afetadas em 84 unidades.

Algumas escolas particulares aderiram à causa, além das universidades Ferlagos, Estácio de Sá e Veiga de Almeida, que suspenderam as aulas.

As agências bancárias das cidades da Região dos Lagos também ficaram fechadas em protesto contra as reformas trabalhistas e previdenciárias propostas pelo governo federal.

Mas, de acordo com a Auto Viação Salineira, responsável pelo transporte coletivo na Região dos Lagos do Rio, as linhas circularam normalmente, assim como o comércio.

Mais lidas da semana