Mídias Sociais

Cidades

Protesto de 'lotadeiros' gera debate sobre o transporte público, em Tamoios, distrito de Cabo Frio

Avatar

Publicado

em

 

Além de pagar uma tarifa considerada cara em comparativo a outras localidades, os usuários do transporte público da Região, sofrem com a deficiência do serviço. A situação gera constantes reclamações por parte dos usuários, que afirmam muitas das vezes optar pelo transporte clandestino.

Nesta quarta-feira, 01, após apreensões de veículos que realizam esse transporte ilegal, conhecidos como 'lotada', foi feito um protesto fechando a ponte que liga Tamoios a Barra de São João, a situação acabou desenvolvendo um grande debate e dividiu opiniões entre a população.

Há quem apoie de olhos fechados esse meio de transporte, e garante que é a 'salvação' de muita gente, como afirma João Lucas. "Super apoio a manifestação, pois quando estamos no ponto na chuva esperando um ônibus eles que vem pra salvar, de madrugada eles que levam os trabalhadores ou quem sai pra curtir pra casa, quando ficamos lá no sol esperando um ônibus por mais de 20 minutos, eles que sempre aparecem. Então deixou aqui meu apoio a estes trabalhadores que estão defendendo seu ganha pão', avaliou.

Mas, também há aqueles que acreditam na necessidade de coibir essa prática, como é o caso de Denyze Caetano, mesmo destacando a ineficácia dos transportes legais. "O serviço das vans também é horrível justamente porque a fiscalização aqui é falha. E isso vai piorar se legalizarem as lotadas. Já vi carros fazendo barbaridades pra pegar passageiro na frente do outro. Agora as vans tem cooperativa, aceitam RioCard, tem regulamento, pagam imposto. Será q eles vão aceitar todas essas regras? Fazer os cursos apropriados? Manter a manutenção do carro em dia? Pagar seguro contra acidentes?", questionou a passageira.

O Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Detro/RJ) tem realizado operações constantes no distrito e tem identificado casos de carros com a vistoria atrasada, em mau estado de conservação e conduzidos por motoristas sem habilitação, além do transporte irregular de passageiros.  Cada proprietário autuado e deve pagar uma multa no valor de R$ 3.003, além das taxas de diária e reboque.

 

Mais lidas da semana