Mídias Sociais

Cidades

Pacientes do Hospital da Mulher, em Cabo Frio, ficaram sem atendimento nesta terça-feira

Avatar

Publicado

em

 

Nesta terça-feira, 06, o Hospital da Mulher, em Cabo Frio não realizou atendimento aos pacientes que chegaram a unidade. Até mesmo as mulheres em trabalho de parto, tiveram que recorrer ao Hospital Santa Isabel.

De acordo com as primeiras informações, na unidade haviam três médicos e um anestesista, porém não havia o material básico necessário para atendimento, assim como medicamentos. O que teria sido o motivo da recusa do atendimento por parte dos profissionais.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a decisão de não realizar atendimentos partiu dos médicos de plantão, contrariando a determinação da administração, e o que falta na unidade são dois medicamentos, ocitocina e propofol, que são utilizados durante o parto cesariana, mas que isso não justifica o fechamento da unidade de saúde.

Vale lembrar que no fim de semana, o Hospital Central de Emergências (HCE), em São Cristóvão, vivenciou um problema similar. Quem chegava não encontrava atendimento. O mesmo HCE foi cenário de uma história triste há dez dias, onde uma jovem morreu esperando vaga em UTI.

 

 

Cabo Frio funciona de forma parcial -  Não é só o setor da saúde que está passando por turbulências. Nesta terça-feira, 06, as portas da Junta Militar de Cabo Frio, que fica no bairro do Braga, também estavam fechadas.

Quem chegou para buscar uma certidão que comprove a prestação do serviço militar, voltou de mãos vazias, um problema que já virou cotidiano. Isso porque o atendimento está restrito no órgão, já que apenas uma funcionária estaria indo trabalhar, enquanto os demais estariam em paralisação, por conta do não pagamento do salário.

Além da paralisação dos funcionários, o sistema também tem apresentado problemas. Nesta manhã de terça, por exemplo, a internet estava fora do ar, o que impossibilita a prestação do serviço ao cidadão.

Isso sem falar nas inúmeras escolas que também estão totalmente sem aula ou funcionando parcialmente, parte por conta da greve dos profissionais da educação, parte pela falta de funcionários, já que houve uma suspensão de alguns servidores e ainda uma outra parte por falta de estrutura como merenda, água e material de limpeza.

 

 

Mais lidas da semana