Mídias Sociais

Cidades

Executivos chineses querem iniciar parcerias de negócios e oportunidades com Búzios e Macaé

Avatar

Publicado

em

 

Executivos da CHIMBRA* – Centro de Língua e Cultura Chinesa visitaram Búzios e Macaé no final do mês de junho para estreitar relações com essas importantes cidades do interior fluminense com o objetivo de analisar espaços para investimentos no setor turístico e de negócios, o que inclui aquisição de hotéis e parcerias de intercambio de conhecimentos e cultura.
Em Macaé de imediato busca-se uma parceria com a Funemac, nas áreas de medicina tradicional chinesa e outras, além de instalar um escritório de negócios junto à franquia de curso de mandarim, onde facilitará as articulações. Estudam também a vinda de fábricas de placas solares, LED e outras através de joint venture com empresas locais. Foram recebidos pelo secretário de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico e Turismo de Macaé, Alexandre Fernandes Fernandes dos Santos, e o presidente da FUNEMAC, Gleison Marinho Guimarães. Em Búzios, onde participaram de um almoço no Hotel Colonna Park, o objetivo é a aquisição de hotéis e turismo de negócios, “trazer turistas de alto capital”, como explicou o Dr. Alexandre Qi, acompanhado da professora Liang Yan, executivos da CHIMBRA.
A mediação para os contatos foi pela Câmara Brasil-China (CCIBC), uma organização independente, sem fins lucrativos, fundada em 1986 em São Paulo. Criada a partir do pedido do ex-vice primeiro ministro da China, Sr. Wu Xueqian.

*A CHINBRA - Centro de Língua e Cultura Chinesa (assessoria empresarial; traduções; FengShui - harmonização de ambientes; cultura e filosofia e turismo), foi fundada em 2003 e representa um dos maiores centros de língua chinesa no Brasil. Desde a fundação, sob a liderança e forte apoio da embaixada chinesa e do consulado geral chinês em São Paulo, é aprovada pelo Hanban (escritório Internacional para Ensino da Língua Chinesa como Língua Estrangeira do Ministério da Educação da China), e se torna um estabelecimento da Sala do Instituto Confúcio.

Mais lidas da semana