Mídias Sociais

Cidades

Consumidores devem ficar atentos durante as compras do Dia das Mães

Avatar

Publicado

em

 

Neste domingo, 08, celebramos o dia das mães. E é bem normal querer encher de mimos esse ser que nos colocou no mundo, nos apresentou a vida e nos deu tanto amor. Mas, principalmente, em tempos de crise econômica, toda cautela é necessária para não comprometer o orçamento mensal. O Procon dá algumas dias para o consumidor que vai as compras.

De acordo com a coordenadora executiva do Procon de Rio das Ostras, Luciana Oliveira, uma das maneiras mais efetivas de driblar os preços altos continua sendo o bom e velho hábito de pesquisar os produtos em diversos locais e comparar os preços. "É importante que o consumidor saia de casa com o presente definido a ser dado à sua mãe, pois assim tornará mais fácil comparar preço, qualidade e praticidade do produto", declarou.

Ainda segundo o Procon, seja qual for a escolha, a nota fiscal deve ser exigida. Ela é o comprovante da compra realizada. Além disso, a nota fiscal possibilita ao consumidor usufruir dos seus direitos, caso o produto apresente algum defeito.

Nas compras feitas fora do estabelecimento comercial (por telefone, em domicilio, telemarketing, catálogos, Internet, etc.) exija o comprovante da data de entrega que foi combinado. O prazo de desistência da compra, nesses casos, é de sete dias da assinatura do contrato ou do recebimento do produto. Para maior segurança, o consumidor deve efetuar o cancelamento por escrito. No ato da entrega, o consumidor só deverá assinar o documento de recebimento do produto após examinar o estado da mercadoria. Havendo irregularidades, estas devem ser relacionadas no próprio documento, justificando assim o não recebimento.

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor o preço de uma mercadoria deve ser mantido para qualquer opção de pagamento, seja em dinheiro, cheque ou cartão de crédito. O comerciante não pode estabelecer valor mínimo para a utilização de cartão de crédito ou débito. A aceitação de cheques é uma liberalidade dos estabelecimentos. Porém, a partir do momento que o cheque é aceito, o lojista não pode fazer restrições de, por exemplo, não aceitar cheques de contas recentes. Vale lembrar que as lojas não são obrigadas a receber cheques de terceiros, de outras praças ou cheques administrativos.

 

 

Mais lidas da semana