Mídias Sociais

Cidades

Cabo Frio continua sendo cenário de manifestações por conta de problemas ligados a administração municipal

Avatar

Publicado

em

 

Tudo indica que enquanto a cidade de Cabo Frio continuar sendo administrada pelo Prefeito Alair Corrêa, as manifestações não vão parar. Somente nesta quinta-feira, 22, a cidade foi cenário de dois protestos.

O primeiro, logo no início da manhã, foi realizado pelos moradores do Bairro São Jacinto. Os manifestantes atearam fogo em entulhos e fecharam a Estrada da Integração, com o intuito de mais uma vez chamar a atenção das autoridades para o problema que a saúde e a educação do município vivenciam. Eles reclamaram da falta de aulas na Escola Municipal Pedro Jotha, a necessidade de médicos para o posto de saúde da região, que segundo moradores está sem atendimento há quatro meses, dentre outros transtornos.

A Polícia Militar foi chamada e, junto com os moradores, retiraram os entulhos e desobstruíram a pista por volta das 10h30.

Enquanto isso, no Centro da cidade, centenas de servidores da Educação, da Saúde e estudantes da rede municipal de Cabo Frio, participaram de um cortejo fúnebre de um boneco do prefeito Alair Corrêa, que foi colocado dentro de um caixão de verdade, e saíram pelas principais vias do centro da cidade. No local, além do caixão do prefeito, professores empunhavam tampas de caixões com foto e nome de cada um dos 17 vereadores.

O ato, que estava marcado para acontecer após a sessão da Câmara, começou cedo, já que novamente, não houve sessão pela falta de quórum. O cortejo, que saiu da Câmara seguiu pela Avenida Assunção - sentido Itajuru; neste ponto, o "caixão do prefeito" foi queimado em praça pública, no caso a Praça Porto Rocha. Depois da cremação, os manifestantes seguiram pela Avenida dos Pescadores, em ao Largo Santo Antônio, que ficou tomado de gente e o trânsito ficou complicado no local.

O protesto foi pelo atraso ou não pagamento de salários, infraestrutura inadequada das escolas, falta de médicos e materiais de trabalho em unidades de saúde, entre outras reclamações.

 

 

 

Mais lidas da semana