Mídias Sociais

Cidades

Cabo Frio assina TAC para regularização do atendimento em Unidades de Pronto Atendimento

Thaiany Pieroni

Publicado

em

 

O município de Cabo Frio assinou  mais um Termo de Ajuste de Conduta - TAC com o Ministério Público do Rio de Janeiro - MPRJ. O documento trata sobre a regularização do serviço de saúde prestado em duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) localizadas na cidade. De acordo com o documento, a prefeitura de Cabo Frio, em um prazo máximo de 60 dias, deverá sanar diversas irregularidades encontradas nas UPAs 24h Cabo Frio I - Parque Burle - e 24h Cabo Frio II – Aires Bessa/Tamoios. No caso específico da realização de obras e da ampliação da estrutura elétrica da UPA Cabo Frio I, foi estabelecido um prazo máximo de 120 dias para a resolução do problema.

Entre outras obrigações que deverão ser cumpridas pelo Município de Cabo Frio estão, com relação à UPA Cabo Frio I: manter o estoque de utilização regular de medicamentos para atendimento de urgência e emergência abastecido; promover a adequação da rede de gases, com a disponibilização de ar comprimido e vácuo; providenciar ambulância com equipamentos mínimos para o transporte de pacientes graves e equipe de recursos humanos exclusiva para atendimento das demandas da UPA; providenciar a adequação do serviço de prontuário eletrônico, para incluir evoluções e prescrição médica de enfermagem, com fiscalização periódica quando o serviço for terceirizado; e providenciar insumos de limpeza à disposição em todos as salas/ambientes.

Já em relação às obrigações que deverão ser cumpridas na UPA Cabo Frio II, incluem-se: garantir a privacidade no atendimento ao paciente na Sala de Classificação de Risco, obedecendo fluxos pré-estabelecidos de classificação de risco, nos termos da Portaria nº 2048, do Ministério da Saúde, bem como tempo de acesso imediato à Classificação de Risco, nos termos da resolução 2077/14, do Conselho Federal de Medicina (CFM); adquirir para a Sala de Reanimação Adulto equipamentos, acessórios e materiais para atendimento às emergências e intercorrências, nos termos da resolução CFM nº 2056/2013; providenciar sala de isolamento pediátrico no Setor de Emergência, nos termos das Resoluções CFM nº 2056/2013 e nº 2077/14, e RDC ANVISA nº 50/02; providenciar ambulância com equipamentos mínimos para o transporte de pacientes graves e equipe de recursos humanos exclusiva para atendimento das demandas da UPA; e manter o estoque de utilização regular de medicamentos para atendimento de urgência e emergência abastecido na unidade.

A administração municipal deverá enviar relatórios bimestrais da execução das cláusulas do TAC em relação a cada UPA, até o total adimplemento de todas as cláusulas do Termo. Em caso de descumprimento de qualquer uma das cláusulas do mesmo, assim como em caso de não envio do relatório, será cobrada multa no valor de R$ 5 mil por cada dia em que persistirem as irregularidades.

Mais lidas da semana