Mídias Sociais

Cidades

Após obras da Prolagos paralisadas há um ano, esgoto continua sendo jogado na Lagoa de Geribá

Avatar

Publicado

em

 

No dia 10 de março de 2014, a concessionária Prolagos iniciou as obras de implantação de rede separadora de esgoto no entorno da Lagoa de Geribá, que faria exclusivamente a coleta de esgoto e permitiria o início da blindagem da lagoa, beneficiando ainda a Praia de Manguinhos do despejo de esgoto que ocorre.

Nas obras a Prolagos investiria cerca R$ 5,2 milhões, montante este que, segundo eles, seria ressarcido com recursos do Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano (Fecam) em sete parcelas anuais após a conclusão. A primeira fase do Programa de Recuperação da Lagoa de Geribá e Praia de Manguinhos consistiria na implantação de 5,8 quilômetros de rede separadora de esgoto no entorno da margem da lagoa e da instalação de duas estações elevatórias (casas de bomba de esgoto), que permitiriam transportar o esgoto até a Estação de Tratamento no Bairro São José, em Búzios.

As obras não estavam previstas no contrato de concessão, por isso, teve de ter aprovação da legislação pertinente pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio, Alerj (LeiEstadual nº 6460/13), para que a concessionária antecipasse os investimentos que beneficiarão cerca de 3.200 moradores de Búzios.

A Prolagos informou que o projeto inicial de implantação de rede separadora de esgoto na Lagoa de Geribá, passou por alteração, por conta de dificuldade na liberação de área para construção da Estação Elevatória de Esgoto (EEE), e por isso, o projeto do sistema precisou ser revisado em função do novo local. Com isso, o prazo de conclusão da obra foi estendido. Os serviços foram paralisados durante o período de alta temporada e foram retomados imediatamente após o período de férias. E segundo a concessionária, as obras estão em execução e serão concluídas até o próximo dia 15 de julho de 2016.

Além das obras com a operação do novo sistema de esgotamento sanitário, a Prolagos assumiu o compromisso de revitalizar a Praça Escola Nicomedes, com a implantação de grama sintética na quadra, e ainda executará a pintura do local e a reforma do parquinho.

De lá pra cá, o que mais sofreu com o período de paralisação das obras foi a lagoa de Geribá, que teve resíduos e esgoto sendo jogados nela. É visível a poluição no local e o cheiro desagradável.

Os investimentos, além do entorno da lagoa, seriam direcionados para a implantação de 45 km de redes separadoras de esgoto nos bairros Geribá, Bosque de Geribá, Colinas de Geribá (canto esquerdo), Manguinhos, Alto de Búzios, Ferradura, Ossos e João Fernandes.

Segundo o presidente da empresa, Carlos Roma, o esgoto da região estará 90% resolvido até 2023, nos termos da concessão já dada. Esses 90% ditas pelo presidente da concessionária, são referentes a todos os cinco municípios da Região dos Lagos atendidos pela concessão e não apenas para Búzios, o que poderia causar distorções nos valores investidos em cada município.

A concessão da Prolagos previa, dentre outras ações, a ampliação do sistema de coleta e tratamento de esgoto no município, solucionando problemas de saneamento em localidades como Manguinhos, Praia dos Ossos e Geribá.

Os problemas da Prolagos e Búzios são constantes e em vários governos a lista de prioridades do município sempre tem como tópico a questão do saneamento.  Depois de 20 anos emancipado a cidade conta com um aumento significativo em seu número de moradores e visitantes ao longo do ano e as ações da concessionária responsável pelo saneamento parecem não acompanhar essa demanda.

Mais lidas da semana