Mídias Sociais

Caderno D

O símbolo da resistência musical de Macaé

Avatar

Publicado

em

 

Tudo começou no dia 25 de dezembro de 1882. Luiz Francisco Quaresma, Cândido de Freitass, Coutinho, Alfredo Amaral, Antônio José de Carvalho Torres, José Cyriaco e Joaquim Roza, são os nomes dos músicos que eram contra a escravidão no Brasil. Juntos eles fundaram a Sociedade Musical Beneficente da Lyra dos Conspiradores.

Mas por que este nome, digamos, sombrio? Dom Pedro acreditava que existia uma entidade macaense que conspirava contra a monarquia. Mandou uma mensagem para a casa Imperial para sinalizar isso e os diretores da Lyra, em resposta, disseram que existia um segredo em relação a criação de uma nova sociedade musical, diferente da Nova Aurora e como o foco era música, eles iriam precisar de uma lira. Juntando tudo isso, o nome foi criado.

Nos anos seguintes, a Lyra realizou um forte movimento no sentido de ir contra a toda e qualquer manifestação que sinalizasse fatos relacionados à escravidão.

Além da parte musical, que era uma fonte de mensagens em resposta a estas atrocidades, reuniões secretas dos abolicionistas, aconteciam na sede da Lyra.

Cinco anos depois de sua fundação, uma sede oficial foi conquistada, afirmando o potencial do grupo e todo o movimento de resistência à escravatura. Constantemente o local era alvo de invasões e até confrontos físicos aconteciam.

Todas as ações que prezavam pela integridade dos negros, eram realizadas com muito empenho, chegando ao ponto de alguns integrantes, se passarem por senhores de engenho, onde compravam os escravos mais velhos e após isso, cartas de alforria eram entregues.

Depois de tantos embates, de tantas tentativas em diminuir aquela triste realidade, a abolição aconteceu e a partir disso, o grupo passou a concentrar seus esforços no desenvolvimento musical da Lyra. Mal podiam imaginar que muito em breve, a música iria avançar de forma tão grandiosa e de lá até hoje a casa continua a ser uma referência para músicos de toda a região e país.

A base musical

Para entender um pouco mais sobre o surgimento da Lyra dos Conspiradores, é preciso entender também sobre a Sociedade Musical Nova Aurora, que foi a primeira banda de música de Macaé, onde inspirou os conspiradores a fundar a sua vertente. Podemos considerar que a Nova Aurora é o o maior patrimônio cultural da cidade de Macaé, que até hoje resiste com um belíssimo trabalho em devoção à música e na formação de músicos de qualidade.

A Nova Aurora é considerada uma coirmã da Lyra, pois ambas seguiram lado a lado durante todos estes anos, enfrentando problemas para que a existência das duas continuasse a fazer parte da história da cidade.

Quem está a frente da Sociedade Musical Nova Aurora atualmente é o Maestro e Diretor Artístico, Hélio Rodrigues, onde através de seu grande talento e dedicação, vem conseguindo revitalizar a banda e adaptá-la aos nossos dias atuais.

Uma referência

São 130 anos de uma história incrível, onde o ensino musical ainda acontece em Macaé. Na instituição é possível aprender a tocar instrumentos de sopro como: flauta, clarinete, saxofone, trompete, trombone, bombardino e bombardão. Teclas: piano, acordeom e teclado. Cordas: cavaquinho, bandolin, violão, contrabaixo e violino. Percussão geral: pandeiro, tantã, surdão, entre outros. Também há aula de bateria.

Os professores da Lyra são experientes músicos, que repassam seu conhecimento de forma muito consistente. Com turma pequenas, formadas por apenas duas ou três pessoas por hora/aula, é possível aprender de forma mais intensa e com total atenção de seus mestres. Em parceria com a Prefeitura de Macaé, a Lyra oferece também aulas gratuitas. Um verdadeiro presente para toda a população da cidade.

Quem quiser fazer parte deste precioso grupo e aprender com os melhores, basta entrar em contato através do telefone:(22) 2757-1364.

Mariana Abrantes

Mais lidas da semana