Mídias Sociais

Artigos

Por dentro do seu Direito

Daniela Bairros

Publicado

em

 

Mudanças na Previdência Social

Recentemente foi editada uma medida provisória que trouxe várias mudanças na previdência social. Embora ainda não convertida em lei, algumas alterações começam a valer imediatamente. Dentre essas alterações, as mais relevantes merecem ser comentadas nesta coluna.

Com a nova lei, os benefícios por incapacidade concedidos há mais de 6 meses que não tenham data prevista para cessação e avaliação, terão que passar por perícia de reavaliação.

A aposentadoria rural não poderá ser validada com declaração de sindicatos rurais e nem de colônia de pescadores. A partir de 2020 será exigido do trabalhador um registro junto ao Ministério da Economia. Por enquanto, a declaração do próprio segurado ratificada por entidades credenciadas ao PRONATER ou a outros órgãos públicos também poderão ser utilizadas.

O auxílio-reclusão é aquele benefício pago aos dependentes do segurado de baixa renda recolhido à prisão em regime fechado que não tenha outra fonte de renda. Também houve alteração nesse benefício. Agora, é indispensável que o preso segurado da previdência tenha contribuído no mínimo por 24 meses. Sem essa carência, não haverá recebimento de auxílio-reclusão.

Menores de 16 anos têm prazo de 180 dias a contar do falecimento para solicitar a pensão por morte, e a contar do encarceramento do segurado, para requerer auxílio-reclusão. Demais dependentes têm o prazo de 90 dias para fazer estes requerimentos. Não sendo cumpridos esses prazos, o benefício será concedido apenas a contar do requerimento.

Por fim, vale mencionar a alteração do procedimento de requerimento de pensão por morte em união estável, que agora dependerá da comprovação documental da união através de provas contemporâneas à morte, não sendo mais suficientes as declarações de testemunhas.


 

Mais lidas do mês