Mídias Sociais

Cidades

Macaé: Câmara aprova projeto de antecipação que vai garantir obras de infraestrutura em bairros carentes

Avatar

Publicado

em

 

Tunan Teixeira

Os ânimos estiveram, mais uma vez, bastante exaltados na manhã da última quarta-feira, 25, no plenário da Câmara de Macaé. E a razão foi a mesma dos últimos dias: a votação do projeto de lei nº 008/2016 do Executivo que pedia autorização do Legislativo para que o Município possa celebrar operação de crédito com o Banco do Brasil - conforme a Resolução 043 do Senado Federal - e investir até R$ 298 milhões em obras de infraestrutura em bairros carentes do município.

Apesar das inúmeras tentativas da oposição de tumultuar a sessão e impedir a votação do projeto, inclusive judicializando o processo com um pedido de liminar negado pela Justiça macaense, a oposição saiu derrotada do plenário. Já o início da sessão foi marcado por um clima de tensão, quando logo após a chamada, os vereadores discutiram sobre as inscrições no Grande Expediente, depois que, em votação apertada (8x7), a Câmara negou a inversão dos trabalhos proposta pelo líder da oposição, Igor Sardinha (PRB).

Problema resolvido, a sessão seguiu para a apreciação do parecer da Comissão de Constituição, Justiça, Redação e Garantias Fundamentais (CCJ) sobre o projeto. Detalhe curioso foi a apresentação de uma emenda assinada pelos vereadores de oposição e que teve parecer contrário da CCJ, cujo relator é Maxwell Vaz (SD) e o presidente é Chico Machado (PDT). “Eles fizeram a matéria e deram parecer contrário na matéria deles mesmos”, criticou o presidente da Câmara, Dr. Eduardo (PPS).

Durante a apreciação do parecer da CCJ sobre a PL 08/16, mais discussões e confusões, com a sessão sendo interrompida por quase 15 minutos. Entre quedas do sinal de transmissão e pedidos da presidência para que a população presente, que lotou a sala, se sentasse, a sessão retornou ainda tensa. Retomada a discussão e votação do parecer da CCJ, os vereadores de oposição tentavam, com todos os argumentos, derrubar a credibilidade da proposta e manter o parecer contrário dado por eles mesmos.

Com discursos inflamados, os parlamentares usaram todos os minutos regimentais. Sem sucesso. Parecer derrubado, projeto em pauta. E mais discussões e debates. Mas, apesar de todas as tentativas da oposição, o líder do Governo, Júlio César de Barros (PMDB), resumiu a discussão sobre os valores da operação de crédito.

“Ninguém fala nada, mas eu vou lembrar uma coisa a vocês. O Governo passado deixou uma dívida de 300 milhões de reais. Quem não se lembra das desapropriações? Eu não vi ninguém ir à rua reclamar disso, querer saber de onde vem esse dinheiro. Esse dinheiro é o dinheiro que faz falta nas Malvinas, no Novo Botafogo, no Jardim Esperança, e é bem menor que os valores divulgados pela imprensa”, disparou Júlio César, lembrando dos vereadores envolvidos na chamada “máfia das desapropriações” e citando nominalmente a Chico Machado e Igor Sardinha.

Os argumentos mexeram com a oposição e tiraram do sério Chico Machado - um dos acusados no processo do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), que perdeu a compostura e precisou ser repreendido pela presidência. Ao justificar seu voto favorável à proposta do Executivo, Cesinha (PROS) provocou a plenária e até mesmo os parlamentares, e disse que votaria contrário caso a oposição devolvesse os salários.

“Estou vendo 50% a favor e 50% contra. Contra o Jardim Esperança, contra o Novo Botafogo. Mas sei que todos os que estão contrários a essa proposta estão recebendo alguma coisa. Eu não sou santo não. Eu cometo muitos erros. Mas eu queria saber onde que está a fonte dessa água que transformou todo mundo da oposição em santo? Vou lançar um desafio aqui: se eles fizerem o favor de devolver o cheque que eles ganham aqui, eu voto junto com eles”.

Guto Garcia (PMDB) lembrou que na década de 90, uma comitiva de Macaé visitou a cidade escocesa de Aberdeen, que também viveu um “boom” da indústria do petróleo, e hoje, também passa por dificuldades.
“Naquela época, foram estudar a implementação de um Fundo de Pensão que eles fizeram lá. Sabe quanto eles têm lá? Mais de 1 bilhão. Sabe quanto tem aqui? Nada. Porque lá atrás, eles não fizeram nada para se resguardar justamente desse momento, quando tivessem perdas”, recordou Guto.

Apesar de toda incerteza quanto aos valores, o líder governista da Câmara deixou claro que a aprovação da proposta do Executivo simplesmente concede autorização, mas que a operação de crédito em si é feita diretamente com as instituições bancárias, que farão diversas exigências à Prefeitura, o que não garante a obtenção do dinheiro.

Prefeito garante inexistência de riscos para cidade

Há pouco menos de 10 dias, entretanto, o prefeito, Dr. Aluízio (PMDB), explicou que a operação de crédito não representa qualquer risco de endividamento aos cofres do município, já que os valores que a prefeitura poderá obter serão calculados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e pelo Banco Central.

“É uma operação segura para o município, em que não há risco de endividamento, porque apenas 10% dos royalties poderão ser usados, segundo a lei, para pagar essa operação. Vamos supor que no primeiro mês depois de aprovada a liberação desses recursos, os royalties sejam de 14 milhões de reais. Desse valor, só 1,4 milhões poderão ser gastos no pagamento. Se ganhar 10 reais de royalties, só 1 real pode ser gasto no pagamento”, frisou.dr aluizio 2

O prefeito disse ainda que, depois de 15 anos, caso ainda haja débito, uma nova resolução deverá ser feita para renegociar esses valores. “Isso ultrapassa a esfera municipal e estadual e passa a ser federal, porque a resolução que nos possibilita a realizar esta operação é do Senado”, esclareceu, em entrevista concedida ao Diário da Costa do Sol, em 16 de maio deste ano.

O chefe do Executivo garantiu também que os investimentos só serão usados em infraestrutura, e que a lei exige que eles sejam usados exclusivamente pelo município. Ou seja, obras de capital federal, estadual ou privado, não poderão receber estes recursos, conforme revelou o prefeito.

“Onde eles serão usados? Na Estrada de Santa de Tereza; na municipalização do Aeroporto, para que a gente possa resolver definitivamente a questão da pista; e em obras de infraestrutura nas Malvinas, na Nova Holanda, no Nova Esperança, no Jardim Esperança. Em melhorias para cidade e para a população da cidade”, concluiu Dr. Aluízio.

Mais lidas da semana