Mídias Sociais

Destaque

Em recesso até agosto, Câmara de Macaé pode voltar com proposta de revisão do Regimento Interno no 2º semestre

Publicado

em

 

Presidente da Comissão que analisa o Regimento anuncia proposta de redução do recesso

 

Foto: Igor Faria

Tunan Teixeira

 

Na última quarta-feira, 28, a Câmara Municipal de Macaé entrou em recesso parlamentar até a primeira terça-feira de agosto, dia 1º, mas, de acordo com o vice-presidente do Legislativo, Julinho do Aeroporto (PMDB), os vereadores macaenses devem aproveitar bem as “férias de julho”.

Desde o início do ano, a Câmara de Macaé está trabalhando em uma revisão do Regimento Interno da Casa, sobre a supervisão do próprio Julinho, que preside da Comissão especial criada para esta finalidade.

Dentre as várias mudanças prometidas pelos vereadores, uma delas já vem sendo alardeada há tempos por Julinho, que acredita que o recesso de aproximadamente 100 dias é tempo demais para os parlamentares ficarem sem sessões.

“A proposta é reduzir para 45 dias, que ainda é muito tempo se a gente for levar em conta que o trabalhador só tem 30 dias férias. Vamos ter 45, que está de bom tamanho”, comentou Julinho, que, há tempos vem tendo reduzir o recesso.

Segundo o vereador já defendeu diversas vezes em plenária, o atual recesso, considerado longo por ele, acaba reduzindo o número de sessões ordinárias, e aumentando o número de extraordinárias, quando não haveria necessidade se o recesso fosse reduzido.

O vice-presidente da Câmara acredita que esse pode ser o último mandato com o atual período de recesso parlamentar, mas lembrou que a Comissão precisará de mais tempo para analisar todas as mudanças do Regimento Interno.

“No início, imaginávamos que feríamos pequenas alterações no Regimento, porque entendíamos que ele estava defasado, mas durante os trabalhos da Comissão, percebemos que precisaríamos fazer quase que uma revisão quase que na totalidade, porque há muitos artigos que divergem da Lei Orgânica do Município. Então, precisaremos de mais tempo, mas devemos apresentar e votar as propostas ainda esse ano”, acredita Julinho.

Mais lidas da semana