Mídias Sociais

Política

Atuação do prefeito de Macaé na atração de empresas reforça estudo da Firjan que aponta cidade segura na recuperação de empregos

Publicado

em

 

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) divulgou, na manhã desta segunda-feira, 31, dados sobre o saldo de empregos gerados nos meses de março e abril de 2021 nas cidades de Campos dos Goytacazes e Macaé, com destaque para o setor da construção civil.

Segundo as informações da Firjan, o setor no Norte Fluminense foi responsável por alavancar a recuperação de empregos, especialmente em Macaé, que em abril registrou o melhor índice em construção em todo o Estado do Rio, com 637 vagas abertas.

De acordo com a Firjan, a construção civil foi a principal responsável por manter o saldo positivo de contratações em março e abril no Norte Fluminense, gerando 2.145 novos empregos neste período marcado.

A análise foi feita pela Firjan a partir da sua plataforma Retratos Regionais, que avalia o cenário de perdas e recuperação de vagas de empregos em todas as cidades do país, com informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do governo federal.

“O desenvolvimento do Estado [do Rio] e a própria geração de emprego e renda passam pela construção civil. Por isso, a Firjan inaugurou um centro de referência que é a mais moderna e atualizada unidade de formação profissional e inovação do país, inclusive com cursos à distância, o que permite atender também ao mercado da nossa região”, lembrou o presidente da Firjan Norte Fluminense, Francisco Roberto de Siqueira.

Entre os meses de março e abril, o Norte Fluminense apresentou geração de empregos na indústria (mais 1.852 vagas abertas), com destaque para a construção civil (+1.397), com Macaé sendo a 1ª cidade que mais abriu vagas (+1.010), e Campos, a 2ª da região (+950).

O estudo revela ainda que os demais setores que mais geraram vagas neste período foram o da agropecuária (+320) e do comércio (+246), enquanto que o setor de serviços apresentou saldo negativo, com mais demissões do que contratações (-273).

Os números mostram que, em abril, Macaé ficou como a 5ª cidade do Estado com o melhor saldo (+278) em todas as categorias, com o maior número de contratações na indústria (+598), especialmente na construção civil (+566).

Desde o início desse ano, Macaé apresenta o 2º melhor desempenho entre os segmentos da indústria em todo o Estado do Rio (+2.154), perdendo apenas para a capital fluminense, reforçando sua importância para a economia fluminense.

“O 4º saldo positivo seguido mostra a continuidade das contratações mesmo num cenário de agravamento da pandemia. E isso indica que os empresários já estão mais adaptados às condições de trabalho impostas pela crise sanitária, e enxergam um horizonte positivo na economia da região”, avaliou o especialista de estudos econômicos da Firjan, Marcio Felipe Afonso.

Visando aumentar a capacidade do município de geração de empregos, o prefeito de Macaé, Welberth Rezende (CIDADANIA) teve nova reunião com empresários interessados e investir na cidade.

Na última semana, Welberth Rezende recebeu representantes da empresa belga John Cockerill, que tem base instalada no município, e que apresentou um projeto para a instalação de uma fábrica de locomotivas e para a viabilidade da operação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

“Tivemos grandes avanços nesses 5 meses, com projetos licenciados para que novas empresas possam se instalar em nossa cidade gerando empregos. Podemos destacar também o processo de instalação do Terminal Portuário (TEPOR) e investimentos no Aeroporto de Macaé, possibilitando uma maior infraestrutura”, lembrou o prefeito.

Além das obras do TEPOR e do anúncio da construção do novo terminal de passageiros do Aeroporto de Macaé, feito pela Zurich Airport, o município contará com a chegada de duas enormes redes de atacado e varejo, a Dom Atacadista e a Assaí Atacadista, que, juntas, devem gerar de 880 a 1.030 vagas de emprego, somando investimentos superiores a 130 milhões de reais.

O projeto da fábrica de locomotivas e de viabilidade da operação dos VLTs em Macaé foi apresentado pelo CEO da John Cockerill no Brasil, Jean-Noël Ott, e o gerente da divisão de oil & gas da empresa, Marcelo Amado, que também apresentaram uma breve apresentação das principais atividades da empresa, que atua nas áreas de energia, defesa, ambiental, serviços, transportes, entre outras.

De acordo com os representantes da empresa, a ideia é termos uma fábrica de locomotivas funcionando na base de Macaé, que posteriormente poderá exportar as locomotivas fabricadas na cidade para outros países, além de estudar a melhor estratégia de funcionamento dos VLTs.

Para os secretários de Mobilidade Urbana, Jayme Muniz, e de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda, Rodrigo Vianna, a parceria com a Jonh Cockerill será positiva para a cidade, mas é necessário trabalho para que as pastas estejam prontas para atender às empresas que têm o objetivo de se instalar no município.

“Seja para a concessão de licenciamentos ou até mesmo criar as condições favoráveis para que o VLT tenha um formato adequado para operar”, ressaltou Rodrigo Vianna.

Mais lidas da semana