Mídias Sociais

Cidades

Arrecadação dos candidatos à Prefeitura de Macaé segue baixa, faltando apenas duas semanas para as eleições

Avatar

Publicado

em

 

Quando adentrarmos neste domingo, 17, faltarão exatos 15 dias para as eleições municipais que acontecem no próximo dia 2 de outubro, daqui a pouco mais de suas semanas.

E conforme o tempo passa, aumenta o ritmo das campanhas eleitorais em várias cidades do Brasil, assim como acontece em Macaé. Porém, com as novas regras da Justiça Eleitoral para as eleições, parece que os candidatos a prefeito na cidade vão passar bem longe do limite máximo estabelecido para as despesas de campanha.

Definido através de um cálculo que leva em conta o número de eleitores em cada município, o limite estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para as despesas na campanha à prefeitura é de volumosos R$ R$2.577.907,44.

Mas, com a diminuição do tempo de campanha para apenas 45 dias, passados 2/3 do período, é difícil imaginar que algum dos candidatos vá conseguir gastar, ou mesmo arrecadar tanto dinheiro em tão pouco tempo.

Isso porque, até esta sexta-feira, 16, segundo dados do site do TSE, o máximo que os candidatos conseguiram arrecadar foi R$ 504.760,99, somando-se todas as 6 contas dos candidatos a prefeito na cidade.

Quem mais contribuiu com esse valor foi vereador Chico Machado (PDT), que já conseguiu arrecadar R$ 296.500,00. Curiosamente, o vereador, que prometeu a campanha mais barata, chegando a dizer que faria a “campanha do real contra a campanha do milhão”, é também o que mais investiu dinheiro do próprio bolso, com 96,96 de sua receita de campanha, o que equivale a mais 287,5 mil reais, dos quais R$ 265.385,00 foram gastos com serviços gráficos, como adesivos e outros materiais impressos.

Chico só não é o candidato que mais investiu na própria campanha percentualmente, porque a receita de Leonardo Esteves (PSOL) é 100% bancada por ele mesmo, já tendo tirado 1,7 mil reais do próprio bolso para a contratação de “serviços de terceiros”, conforme informações do site do TSE.

Se Chico é quem mais contribui para o meio milhão de reais que os 6 candidatos a prefeito em Macaé somam de receita até aqui, quem arrecadou menos, por enquanto, foi Pedro Vilas-Bôas (PSTU), que soma pouco mais de 1,5 mil reais, dos quais R$ 1.280,00 foram gastos com locação de veículos.

Coincidentemente, o segundo candidato à prefeitura que mais arrecadou em Macaé foi o também vereador Igor Sardinha (PRB), que já conseguiu R$ 154.356,00, dos quais apenas 12,96% (20 mil reais) são provenientes de recursos próprios do candidato.

O vereador do PRB, inclusive, é o candidato que possui mais doadores em sua campanha para o Executivo, com mais de 20, segundo o site do TSE. E como a maioria dos candidatos, Igor também gastou a maior parte dessas receitas em serviços gráficos, com R$ 116.848,68 em adesivos e outros materiais impressos.

Já os atuais prefeito e vice da cidade, respectivamente, Dr. Aluízio (PMDB) e Danilo Funke (REDE), vêm fazendo campanhas bem modestas também no que diz respeito às arrecadações, sendo os que menos arrecadaram entre os principais candidatos a prefeito.

Enquanto o atual prefeito conseguiu levantar R$ 110.999,99, sendo menos de 10% (10 mil reais) provenientes de recursos próprios vindos de seu companheiro de chapa, o ex-secretário municipal, Vandré Guimarães (PMDB), o atual vice arrecadou R$ 38.700,00, sendo 100% dos recursos vindo de doações.

Assim como os dois vereadores na disputa, Dr. Aluízio e Danilo também gastaram a maior parte de suas receitas com serviços gráficos, como adesivos e outros materiais impressos. Enquanto o atual prefeito já investiu R$ 191.880,00, o atual vice, bem mais modesto, gastou exatos 20 mil reais com gráficas.

Entre os gastos de campanha mais curiosos em Macaé até esta sexta-feira, estão o 4,5 mil reais pagos pela campanha de Chico Machado à empresa SIT (Sistema de Transporte Integrado) para locação de veículos, e os R$ 1.480,00 gastos pela campanha de Igor Sardinha com seu próprio partido, o PRB, e com o Sinditob (Sindicato dos Trabalhadores Offshore do Brasil).

Tunan Teixeira

Mais lidas da semana