Mídias Sociais

Destaque

Áreas de Cabo Frio são favorecidas na 3ª rodada de leilões do pré-sal

Publicado

em

 

O leilão de novembro exigirá 18% de conteúdo local para a fase de exploração, 40% para o sistema de coleta e escoamento e 25% para construção de poço

 

Bertha Muniz

Prevista para novembro, a terceira rodada de leilões do pré-sal, irá favorecer em sua maioria, a cidade de Cabo Frio, na Região dos Lagos. Serão ofertadas quatro áreas localizadas nas bacias de Campos e Santos, relativas aos prospectos de Pau Brasil, Peroba, Alto de Cabo Frio-Oeste e Alto de Cabo Frio-Central. A rodada irá acontecer sob regime de partilha de produção.

A terceira rodada de leilões do pré-sal era muito esperada pelo mercado por abranger o maior número de áreas produtivas de petróleo desde o primeiro leilão de Libra, em 2013. Além disso, é o primeiro certame em que valerão as novas regras, sancionadas pelo presidente Michel Temer no fim do ano passado, que tiram a exclusividade da Petrobras de atuar como operadora dessas áreas. Além disso, a companhia é livre para escolher os campos em que pretende explorar. Antes, a estatal era obrigada a entrar em todas as áreas e a ter pelo menos 30% do campo.

A Petrobras decidiu exercer o direito de preferência sobre três das oito áreas do pré-sal que serão leiloadas pelo governo em 2017. Isso significa que, independente do consórcio vencedor das disputas, a estatal terá o direito de escolher se quer ser operadora, com uma participação mínima de 30% nos projetos. As áreas escolhidas são Sapinhoá, da segunda rodada de licitações do pré-sal, Peroba e Alto de Cabo Frio Central, ambas da terceira rodada.

Alto de Cabo Frio Central fica em uma região ainda com pouca exploração no pré-sal. Segunda a empresa, o exercício de direito de preferência previsto em lei "está alinhado com os fundamentos de seu plano estratégico, que prevê a sustentabilidade da produção de óleo e gás, com fortalecimento do portfólio exploratório e atuação em parcerias".

Conforme já havia anunciado anteriormente, o governo anunciou exigências menores de conteúdo local (percentual mínimo para uso de máquinas e equipamentos brasileiros) para a terceira rodada. O leilão de novembro exigirá 18% de conteúdo local para a fase de exploração, 40% para o sistema de coleta e escoamento e 25% para construção de poço e para a unidade estacionária de produção.

Os mesmos percentuais serão aplicados para os blocos em mar da 14ª rodada de licitações de blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural. Para os blocos em terra, o percentual mínimo obrigatório será de 50% tanto para a fase de exploração quanto na etapa de desenvolvimento.

 

 

Mais lidas da semana