Mídias Sociais

Destaque

Mês de junho já tem média de um homicídio a cada 48 horas em Macaé

Bertha Muniz

Publicado

em

 

Quantitativo é mais que o dobro de todo o mês de junho do ano passado, quando foram registrados quatro homicídios.

Junho já pode ser considerado o mais violento do ano em Macaé. Somente até o dia 19 deste mês, dez pessoas foram mortas na Capital do Petróleo. O número é mais que o dobro de todo o mês de junho do ano passado, quando foram registrados quatro homicídios, segundo dados do Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro (ISP). A maioria dos crimes possui ligação com a guerra entre facções criminosas.

Segundo o comandante do 32º Batalhão de Polícia Militar (32º BPM), tenente-coronel Rodrigo Ibiapina, a meta estipulada era de nove homicídios para esse mês em Macaé.

A violência na cidade tem sido discutida em diferentes reuniões comandadas pela Polícia Militar, Poder Público e entre outras forças de segurança que buscam apoio do estado para reduzir a criminalidade em Macaé. O fato é que a sociedade tem se reunido tentando buscar alternativas de apoio da polícia no combate à violência.

A prefeitura divulgou, no dia 6 de junho, a data da realização da licitação para contratação de empresa para obras do Complexo de Cidadania de Macaé, onde será instalada a primeira Delegacia de Homicídios (DH) do interior do estado do Rio de Janeiro. A previsão para execução das obras é de 300 dias, a contar da expedição da ordem de serviço A expectativa é que, com a construção da DH - Norte, ainda no seu primeiro ano, o número de homicídios já apresente queda.

A Capital do Petróleo foi escolhida por conta da proximidade com municípios como Campos dos Goytacazes e Cabo Frio, onde a violência também avança, o que facilitará o trabalho dos policiais, técnicos e peritos. A DH - Norte é fruto da parceria entre a prefeitura e o governo do estado do Rio de Janeiro, e tornará Macaé um polo de segurança e conhecimento de combate ao crime.

Além da DH-Norte, está prevista a ocupação do complexo por instituições que tiveram o direito de construção autorizado pelo prefeito Dr Aluizio, por meio de termos de cessão de uso, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MACAÉ) e a Defensoria Pública.

Mais lidas da semana