Mídias Sociais

Polícia

Justiça do Rio nega habeas corpus de fiança para motorista acusado de matar publicitária em Campos

Publicado

em

 

O motorista de 30 anos sendo socorrido no dia do acidente de trânsito

Bertha Muniz

Foi negado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), o pedido de habeas corpus com suspensão da fiança de R$300 mil para o suspeito de provocar um acidente de trânsito que causou a morte da publicitária Marcelle da Costa Ferreira, 28, em junho deste ano.

A defesa de Jhon Peter Aleixo Ferreira, de 30 anos, alegou que o réu foi dispensado do trabalho um mês após o acidente, mas a decisão do TJ-RJ, proferida no último dia 15, manteve o valor.

A decisão afirma que defesa de Jhon apresentou a carteira de trabalho do réu com a rescisão do contrato de trabalho, sem informar o valor da verba rescisória do acusado.

Ele atualmente cumpre medidas cautelares em substituição a prisão, como ter que se apresentar mensalmente à justiça para prestar contas da sua rotina; proibição de sair da cidade por mais de 15 dias sem prévia autorização judicial, está impossibilitado de freqüentar bares e boates sem permissão do juiz. Além disso, Jonh teve a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) recolhida e não pode dirigir.

O acidente aconteceu por volta das 23h do dia 9 de junho de 2017.  Policiais militares informaram que uma Hilux, conduzida por Jhon, e um Sandero, que era dirigido por Marcelle, colidiram próximo a uma concessionária. O filho dela estava no banco do carona e sofreu traumatismo craniano.

Um exame de bafômetro constatou, segundo o registro de ocorrência, que o motorista estava com 0,32 mg/L de álcool no sangue. Para ser considerado crime por embriaguez, o mínimo é de 0,34 mg/L. De acordo com a Polícia Civil, não houve flagrante devido à quantidade detectada.

 

Com informações do Terceira Via

 

 

 

Mais lidas da semana