Mídias Sociais

Destaque

ANP autoriza redução de royalties para estimular investimentos em campos maduros da Bacia de Campos

Avatar

Publicado

em

 

Medida atende pedido do Prefeito de Macaé e Presidente da Ompetro, Dr. Aluizio

 

 

 

Da Redação

 

Atendendo ao pedido do Prefeito de Macaé, Dr. Aluizio (PMDB), que também preside a Organização dos Municípios Produtores de Petróleo (Ompetro), a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aunciou, na última sexta-feira, 11, que vai reduzir as taxas de royalties dos campos maduros da Bacia de Campos.

“Macaé começa a respirar um cenário mais positivo com a retomada dos leilões e as perspectivas de novos investimentos. Mas o projeto de recuperar a produção de petróleo na Bacia de Campos é fundamental. Com os preços baixos do petróleo, as empresas buscam cada vez mais diminuir os custos, e a redução do pagamento dos royalties será importante para atrair esses investimentos”, falou o prefeito, ao jornal O Globo.

A ANP estaria preocupada com a queda de cerca de 30% da produção de petróleo nos campos do pós-sal mais antigos, os chamados campos maduros, e que estão enfrentando o declínio natural, previsto desde o início da perfuração, há cerca de 30 anos.

Para estimular os investimentos na revitalização desses campos maduros, a Agência vai reduzir à metade o percentual dos royalties, que é de 10%, sobre a produção que resultar desse incremento.

A medida, que atende a um pedido dos municípios produtores de petróleo localizados próximos à Bacia de Campos, vai beneficiar principalmente a região, que já foi responsável por mais de 80% da produção total de petróleo do Brasil, mas hoje responde por apenas 50%, em queda constante, e cada vez perdendo mais espaço para a Bacia de Santos, no litoral paulista.

A expectativa é de que a revitalização dos campos mais antigos gere investimentos importantes na indústria petrolífera, que vão resultar em empregos no setor, o que beneficia as cidades da Região dos Lagos e do Norte Fluminense, que perderam muitos postos de trabalho com a crise internacional do setor.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (ABESPetro), esses aportes em campos maduros poderão criar cerca de 170 mil empregos no período de 2018 a 2022, confirmando anúncio feito pelo Prefeito de Macaé, após a Feira Brasil Offshore, da criação de vagas imediatamente.

“Menos royalties, mais empregos”, é um dos slogans da campanha lançada pela Prefeitura de Macaé, município que já foi o maior produtor de petróleo do país e ostentava o título de Capital Nacional do Petróleo, e que sentiu fortemente a retração das atividades petrolíferas na Bacia de Campos desde 2014.

Com a redução dos investimentos da Petrobras, que enfrentou dificuldades financeiras por conta dos casos de corrupção revelados pela Operação Lava Jato e pela queda dos preços do petróleo, a cidade vem sofrendo com o crescente número de desepregados.

Para Dr. Aluizio, esses investimentos em campos antigos na Bacia de Campos poderão gerar cerca de 20 mil empregos na região. Segundo ele, nos últimos 5 anos, a cidade perdeu 38 mil postos de trabalho na indústria do petróleo, passando de 163 mil vagas em 2012 para apenas 125 mil hoje.

A campanha de Macaé enfrentou certa resistência de outros municípios produtores, mas Dr. Aluizio destacou que, tanto no país como na Bacia de Campos, é preciso investir para recuperar a produção dos campos maduros, e isso só será possível dando algum incentivo.

O diretor-geral da ANP, Décio Oddone, explicou também que a redução dos royalties para estimular a revitalização de campos maduros é mais uma das medidas importantes adotadas pela Agência para destravar investimentos no setor no curto prazo. De acordo com ele, a ANP está preparando uma resolução para regulamentar a questão que deve ser publicada em, no máximo, 6 meses.

“Os leilões que serão feitos em setembro e outubro próximos trarão investimentos no longo prazo, mas precisamos retomar a atividade no curto prazo. E, por isso, vamos atuar nos contratos que estão em vigor com várias medidas, e uma delas é a revitalização dos campos maduros para incentivar o aumento da produção” explicou Oddone, também a O Globo.

A Bacia de Campos é um exemplo da necessidade de investimentos para revitalizar a produção dos campos antigos e poderá ser uma das mais beneficiadas com a medida. Em junho, a bacia produziu 1,363 milhão de barris diários, 51% da produção total do país (2,674 milhões de barris diários). A produção naquele mês foi cerca de 11% menor do que em junho de 2016, quando atingiu 1,531 milhão de barris por dia, representando 60% da produção total.

O estímulo à recuperação da produção de petróleo nos campos antigos, segundo fontes, vai beneficiar diretamente também a Petrobras. A estatal colocou à venda recentemente vários campos maduros, 14 deles na Bacia de Campos.

A possibilidade de reduzir os royalties para recuperar a produção na renovação dos contratos vai aumentar o valor desses campos. Para Dr. Aluizio, em pouco tempo, a produção da bacia poderá aumentar para 1,5 milhão de barris diários.

Na última quinta-feira, 10, a Petrobras anunciou a descoberta de petróleo no pré-sal na Bacia de Campos na área do Campo de Marlim Sul. A descoberta é importante por ser em uma região que já tem grande infraestrutura de produção, cuja maior concentração, encontra-se, justamente, em Macaé.

 

Mais lidas da semana