Mídias Sociais

Destaque

Por se negar a entregar projeto de lei após ofícios e encerramento de prazo chefe de gabinete de vereador é exonerado por Presidente da Câmara de Macaé

Publicado

em

 

 Vereador Marcel Silvano (PT) teve seu chefe de gabinete exonerado, pois segundo presidente da Casa, Dr. Eduardo Cardoso (PPS), teria se negado a entregar projeto de lei “preso” na Comissão de Educação, presidida pelo petista, além do prazo regimental. 

Em sessão ordinária desta terça-feira, 16, o vereador Marcel Silvano (PT) comunicou seu descontentamento com a presidência da Câmara Municipal de Macaé depois da exoneração de seu chefe de gabinete, feita pelo presidente, Dr. Eduardo Cardoso (PPS).

Durante sua fala no Grande Expediente, o vereador criticou o projeto de lei do chamado Bolsa Escola, que prevê bolsas a alunos do ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, dadas pelo governo municipal.

Ao fim da explanação do parlamentar petista, Dr. Eduardo pediu a palavra para retrucar as palavras do colega de plenário. Segundo o presidente da Casa, o vereador, através do seu gabinete, teria negado à presidência o direito de ter acesso ao projeto de lei, que se encontra com ele, que preside a Comissão de Educação, onde a matéria estava retida.

A lei estava na Comissão de Educação. Pedi para o chefe da secretaria ir lá e pedir, pedi e a pessoa que estava no gabinete do vereador Marcel negou. Volta lá e pede a ela. ‘Não, ela ligou para o vereador Marcel e ele falou para não entregar’. Então oficia. Mandei o primeiro ofício pedindo para entregar ao presidente da Câmara uma matéria que está na Câmara. E ela negou. Ela não atendeu. No dia seguinte, eu mandei outro ofício. E de novo foi negada à presidência da Casa uma matéria que é da Casa, não é do vereador. Que eu tenho 1 voto igual ao vereador, eu sei, não precisa dizer isso não. Mas quem gere a Casa é a presidência. E eu só pedi a matéria. Vereador Marcel naquele mesmo dia entrou com requerimento, colheu assinatura de várias vereadores aqui e pediu o adiamento do prazo. Ele queria um adiamento do prazo que já estava em 40 dias e ia para 60 e nem sei quantos dias levaria. Pediu adiamento do prazo. Como se um requerimento fosse maior do que está no Regimento Interno, que são 10 dias para dar o parecer. Eu não sei qual é a intenção do vereador Marcel. Com certeza, intenção de que essa lei não fosse votada, não fosse a plenário”, revelou Dr. Eduardo.

Questionado sobre seus interesses em relação ao projeto de lei, Marcel defendeu a realização de um debate mais amplo com setores ligados à educação do município, algo, que segundo ele, falta ao projeto de lei do Executivo.

A rixa entre os parlamentares causou a exoneração do chefe de gabinete do vereador do PT, que respondeu nesta terça-feira dizendo que, de agora em diante, mudará sua postura com relação à presidência do Legislativo.


 

Mais lidas do mês