Mídias Sociais

Cultura

Novo aplicativo, Orbis, é criado para reunir tribos por meio da geolocalização

Daniela Bairros

Publicado

em

 

Criado pelos sócios Felipe Pires e Ana Timoshenko, o aplicativo já pode ser baixado gratuitamente para o sistema Androide no Google Play Store. Em breve, estará disponível para Iphone. Em Macaé, usuários já podem baixa-lo. Na versão Web, o aplicativo pode ser acessado pelo link: https://orbis.to/c/macaé

 

Daniela Bairros

Com o objetivo de mapear pontos de encontros de diferentes tribos urbanas, promover a interação e integração dos mais diferente segmentos, os sócios Felipe Pires, que é analista de sistema, e Ana Timoshenko, formada em marketing, criaram, recentemente o aplicativo Orbis. O sistema reúne tribos urbanas por meio da geolocalização. Ambos também são desenvolvedores de sistemas no programa Startup Rio.

O aplicativo, que já pode ser baixado gratuitamente para o sistema Androide no Google Play Store e que em breve estará disponível para Iphoe, permite que tribos urbanas mapeiem a sua localização na cidade do Rio de Janeiro. E a novidade já chegou a Macaé. Na versão web, o aplicativo pode ser acessado pelo link  https://orbis.to/c/macaé.

Segundo Felipe Pires, existe um mapa secreto de toda região. “Podemos dizer que toda cidade tem suas peculiaridades locais que nem sempre é do conhecimento de todos os residentes da área. Por exemplo, você pode morar perto de um parque, onde um grupo que pratica yoga, mas como nunca ouviu falar, não tem conhecimento e não pode explorar este paradigma”.

Pires ressaltou também que o Orbis foi desenvolvido para ajudar os usuários a mapear o desconhecido geograficamente. “Assim, os usuários podem criar grupo e marcar a localização destes grupos em tempo real. Quando um membro do grupo faz check-in, o lugar é marcado com um símbolo circular do grupo e, com o tempo, caso não houver atividade, este círculo vai murchando. Isso faz com que o visual do mapa seja de prominência das atividades mais recentes”, explicou.

Os sócios se inspiraram, ao desenvolver o Orbis, no mapa Orbis Terrarum, que foi o primeiro atlas mundial. “Nós imaginamos que na antiguidade, as pessoas olhavam para um mapa mundi e tinham um senso de mistério e descobrimento pelos lugares ainda não mapeados. Nós queremos trazer esse senso de descobrimento para o local de vivência dos nossos usuários e reativar esta conexão com a cidade”.

Para o analista de sistema, o grande atrativo dos mapas do período do descobrimento é o fato deles não terem o mundo totalmente mapeado, dando espaço assim para a imaginação humana do século XV e XVI criar as mais diversas lendas sobre terras e povos distantes.

O aplicativo foi lançado recentemente no Brasil, então a principal atividade dos usuários está concentrada nesta região, especialmente no Rio de Janeiro. Você pode encontrar no mapa do Rio e ver o conceito da aplicação.

Ao baixar o aplicativo em Macaé, o usuário encontra grupos de corredores, amantes de praia, grupos que marcam lugares onde se consome alimentos saudáveis, amantes de pizza e grupos de alta tecnologia.  Depois de criar e entrar para um grupo, você pode fazer check-in pressionando o botão com o símbolo de localização na página inicial, que também é a visualização do mapa.  Isso fará com que o Google preencha os lugares próximos ao seu redor, você também pode fazer um check-in por GPS ou criar um lugar que você não encontre na lista.

Depois de fazer check-in em um lugar com seu grupo, o usuário será direcionado para a visualização do mapa, onde verá o círculo com o símbolo do seu grupo mostrando o local onde acabou de fazer o check-in. Este círculo no mapa marca o território do grupo onde o usuário entrou. Se houver mais check-ins neste lugar, o círculo irá inflar, e se os dias passarem sem que alguém faça check-in naquele lugar, o círculo irá murchar até que desapareça. Os grupos também competem para ter o maior número de check-ins em um local e, portanto, “conquistá-los”. Isso pode ser visto na página do local em que o grupo que é proprietário do local tem a porcentagem majoritária de frequência.

Crédito: Ilustração

Mais lidas da semana