Mídias Sociais

Cultura

Em Macaé, moradores do Planalto da Ajuda recebem nesta sexta-feira (28), atividades circenses pelo projeto “De Olho no Duto”

Daniela Bairros

Publicado

em

 

Daniela Bairros

A Escola Municipal Regina de Souza Lapa, localizada no bairro Planalto da Ajuda em Macaé, recebe nesta sexta-feira (28), a partir das 8h, apresentações e atividades circenses pelo projeto “De Olho no Duto”, uma iniciativa da Cia Chirulico e investimento social da Transpetro. O objetivo, segundo os organizadores, é oferecer aos moradores locais um dia inteiro de atividades culturais gratuitas, incluindo espetáculo e roda de conversa.

Um cortejo abrirá a programação com a presença de palhaços, malabaristas e pernas-de-pau, tocando seus instrumentos, cantando músicas e convidando o público para participar da programação. Em seguida, será a hora da oficina circense, com aula de circo para crianças, jovens, adultos e idosos, que poderão vivenciar algumas modalidades circenses, como  malabares, perna de pau, bambolês e palhaço.

A programação se encerra com a roda de conversa, um bate-papo entre os artistas e moradores, após o término da apresentação, para identificar as manifestações artísticas existentes nas comunidades e fortalecer as iniciativas culturais dos moradores.

O projeto “De Olho no Duto” contemplará 39 comunidades do Rio de Janeiro, vizinhas às instalações dos dutos da Transpetro, entre elas: Itaguaí, Mangaratiba, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Macaé, Quissamã, Magé, Paracambi, Miguel Pereira, Guapimirim, Rio das Ostras, Carapebus, Campos e Casimiro de Abreu, Paracambi.

As apresentações acontecerão durante um período de dois anos, envolvendo mais de 600 atividades artísticas, como oficinas, cortejos, espetáculos e rodas de conversas. Ao todo, estima-se que 150 mil pessoas de todas as idades serão favorecidas. Para a Transpetro, “O projeto tem premissas básicas de transformação social, calcadas na formação cidadã, no engajamento  das comunidades, na atuação forte da divulgação dos canais de comunicação e ações e informações preventivas, além do desenvolvimento do senso de pertencimento local”.

Sobre a Cia Chirulico

A companhia faz apresentações em escolas, passa por teatros, espaços públicos e festivais pelo país. E não para por aí: um financiamento coletivo, lançado pelo grupo, pretende realizar a gravação de um CD infantil com cantigas populares, intitulado como “Cantigas e cantirolas”. O grupo de artistas circula com o espetáculo Gran Pequeno Circu Chirulico. A companhia é composta por Aline Barbosa (Margarida), Anthony Brito (Fornalha), Débora Dias (Gabiroba) e Vicente Barbosa Brito (Forninho). Tem como foco os palhaços brasileiros, em especial dos circos conhecidos como Pano de Roda, um recurso típico do Brasil, contendo em seus espetáculos cenas clássicas de palhaçaria.

A linguagem utilizada pela Chirulico é desenvolvida através de vivências e oficinas com grupos como Giramundo de Teatro de Bonecos e Carroça de Mamulengos. Além disto Anthony, Aline e Débora são formados pela Escola Livre de Palhaços (EsLiPa – Grupo Off-Sina) onde estudaram com grandes mestres como Richard Riguetti, Lilian Moraes, Biribinha, Ricardo Puccetti, Tubinho, Fernando Sampaio, Lily Curcio, Ésio Magalhães, entre outros.

Crédito: Uirá Paiva

 

Mais lidas da semana