Mídias Sociais

Cultura

Coletivo Flores e Cia Chirulico, de Macaé, iniciam nesta quinta-feira (11) temporada de espetáculos virtuais

Daniela Bairros

Publicado

em

 

Daniela Bairros

As companhias teatrais Coletivo Flores, do CIEMH2 Núcleo Cultural  e Cia Chirulico, ambas de Macaé, iniciam nesta quinta-feira (11), a temporada de espetáculos virtuais, com ingressos que estarão disponibilizados gratuitamente. As duas companhias apresentarão seus principais espetáculos, premiados em grandes festivais e editais pelo Brasil. Ao fim de cada apresentação, os artistas envolvidos realizarão um bate-papo com o público participante, abrindo um espaço dinâmico de diálogo sobre os temas e técnicas abordadas nos espetáculos.

Ao todo, serão seis espetáculos que ocorrerão às quintas-feiras, a partir das 20h, pela plataforma virtual Google Meet, com ingressos limitados e links de acesso disponibilizados durante a semana do evento.

O primeiro espetáculo a ser apresentado será o “Futuca a Tuia”, com a Cia Chirulico Companhia Familiar de Palhaçaria, Música e Teatro de Bonecos de Macaé. Após a apresentação, será realizado o “Cena em Debate”, um bate-papo aberto para perguntas e participação do público com o tema “Dedim de prosa”, tendo como convidados Anthony Brito, da Cia Chirulico-RJ, Cristiano Pereira (Coletivo Nandaia/MT-RJ) e mediação de Carine Passos, do CIEMH2-RJ.

“CIEMH2 COmVIDA – Arte e Cultura em Toda Parte” é apresentado pelo Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro por meio  da Lei Aldir Blanc, sancionada em junho de 2020 para repasse emergencial financeiro ao setor da cultura, um dos afetados pela crise da Covid-19.

Sobre o espetáculo

“O maior contador de causos de Goiás”,  assim era conhecido Geraldinho Nogueira, um autêntico contador de causos caipiras. “Futuca a Tuia” homenageia esta importante personalidade goiana e perpetua a tradição dos espetáculos de contações de causos que pertencem à memória coletiva de muitas gerações.

Estes espetáculos sempre possuíam duas figuras principais: o contador e os tocadores de viola, onde o contador se inspirava nas músicas tocadas para escolher os causos que iria falar. Seguindo este costume, o músico Anthony Brito, com suas composições tocadas na viola caipira, se alterna com o boneco de marionete do Geraldinho, que conta os causos do espetáculo.

O contador de casos é um narrador de experiências. Experiência, como escreveu o pensador alemão Walter Benjamin é a sabedoria que vem do passado, que vem dos mortos para chegar nos vivos, permanecendo e orientando o tempo presente e, contribuindo para o tempo por vir. Assim, nosso objetivo no "Futuca a Tuia" é buscar na moda de viola caipira e na contação de causo a narração da experiência humana. Temperando esse momento com o bom humor e a alegria da sabedoria simples do povo do interior brasileiro.

“Futuca a Tuia” busca falar de um tempo em que nos propúnhamos a nos sentar lado a lado e nos divertir com as experiências do outro. Ele nos remete a um tempo de varanda cheia, cadeiras nas portas de casa, cafezinho fresco e a alegria do encontro entre pessoas queridas.

"Dedim de Prosa" é uma extensão do espetáculo "Futuca a Tuia" e foi criada como forma de continuar a prosa e a moda de viola, para falarmos do narrador de história, da epopeia sertaneja presente na moda caipira e do tempo presente. Vamos contar causos, ouvir uma boa música caipira e prosear sobre como anda a vida. Tudo isso com o objetivo de apalpar as relações presentes nesses elementos com a experiência humana.

Todo processo de criação deste espetáculo se deu durante o período de isolamento social causado pela pandemia do COVID 19, como construção do boneco, criação de cenário, escolha do repertório musical, roteirização e captação e edição do material audiovisual.

Sobre a Cia Chirulico

A Chirulico é uma companhia de palhaçaria, música e teatro de bonecos,  criada por Anthony Brito e Aline Barbosa, de Macaé.  A principal pesquisa do grupo são os palhaços brasileiros, que atuam nos circos de lona, nas ruas, nas brincadeiras e folguedos populares. Com atuação desde 2013,  o grupo possui grandes espetáculos e oficinas em seu repertório. Já circulou por festivais, teatros, escolas, convenções e espaços públicos nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Goias, Mato Grosso e Paraná.. Desde 2014 realiza o “Circo de Areia” na Praia dos Cavaleiros, com mais de 140 espetáculos apresentados e um público estimado em 40 mil pessoas.

Sobre o Ciemh2 Núcleo Cultural

O CIEMH2 Núcleo Cultural é uma associação sociocultural de utilidade pública, sem fins lucrativos, fundada em 2005 e sediada em Macaé.  Também reconhecida como Ponto de Cultura, foi criada com o objetivo de abrir espaço e facilitar a participação efetiva de crianças, adolescentes, jovens e adultos nas questões sociais da comunidade e do mundo. Concretizando-se por meio de ações socioculturais que possibilitam a construção de novos saberes, a troca de aprendizados, de informações, desenvolvendo habilidades, a busca de um trabalho, a realização profissional e/ou pessoal.

Crédito: Divulgação

Mais lidas da semana