Mídias Sociais

Cidades

Ressaca atinge postos salva-vidas em Cabo Frio e Defesa Civil estende alerta até domingo, 21

Thaiany Pieroni

Publicado

em

 

A Defesa Civil decidiu estender o alerta de ressaca marítima até domingo, 21. A princípio a validade do estado de atenção era válida até esta sexta-feira, 19, porém, o mar continua agitado.

Na manhã desta sexta-feira, 19, foi necessário uma ação conjunta entre a Secretaria de Obras, Comsercaf, Defesa Civil e Corpo de Bombeiros para retirar dois postos de salvamento na Praia das Dunas. Ambos foram afetados pela voracidade das ondas.

O posto salva-vidas da localidade conhecida como “Balneário”, na altura do Braga, foi danificado pela força das ondas e está sendo desmontado para que se evite a perda de todo o conjunto. O posto da Praia das Dunas também será desmontado.

Em frente à Avenida Nilo Peçanha, a força das ondas deslocou a base de pedras sob o deck de madeira e danificou algumas rampas. O local foi isolado pela Defesa Civil.

As recomendações são para que se evite o banho de mar em áreas que estejam em condições de ressaca, também é importante evitar a prática de esportes no mar, a permanência em locais próximos ao mar durante o período de ressaca, como em rochedos, cais e decks. Já os pescadores também estão sendo orientados a evitar navegar durante o período de ressaca e que não se entre no mar para possíveis resgates a vítimas de acidente, devendo ser acionadas, imediatamente, as equipes do Corpo de Bombeiros pelo telefone 193.

“Por enquanto, o que podemos fazer é continuar monitorando os locais que oferecem maior risco aos banhistas e a situação do deck da Praia do Forte. Assim que os ventos acalmarem e as ondas diminuírem, o foco será a segurança das equipes da Secretaria de Obras que vão realizar o reparo” afirmou Josué Veloso, coordenador da Defesa Civil de Cabo Frio.

 

Mar devolve lixo descartado de forma irregular - Durante a ressaca, a Comsercaf mantém a limpeza diária da praia, e a quantidade de lixo trazida pelo mar impressiona. Durante as coletas realizadas na quinta-feira (18), cerca de 5 toneladas de resíduos foram retiradas da orla

Para o diretor de Meio Ambiente da Comsercaf, Eduardo Pimenta, a quantidade de resíduos trazida pelo mar, é um reflexo do modelo de desenvolvimento urbano industrial adotado pelos países do mundo contemporâneo.

“A sociedade precisa se conscientizar de que todo lixo que cai no chão, chega nos rios e mares e os prejuízos causados pelo plástico são imensuráveis, pois além de matar a fauna, em contato com o sol e a água salgada, esse resíduo é fracionado, fica em formato de micro lixo e é incorporado na cadeia alimentar, sendo consumido também pelo organismo humano. Hoje é possível perceber a existência de um novo continente, formato por lixo plástico que fica boiando nos oceanos. Em uma condição de ressaca como a que vemos na Praia do Forte, esse resíduo é trazido de volta pra costa.” – explica Eduardo.

Mais lidas da semana