Mídias Sociais

Cidades

Prefeitura de Cabo Frio implanta Centro de Operações de Emergências (COE) para combate ao Covid-19

Thaiany Pieroni

Publicado

em

 

A Prefeitura de Cabo Frio, por meio da Secretaria de Saúde, institui o Centro de Operações de Emergências (COE) para enfrentamento à pandemia do Covid-19. A medida integra o Plano de Contingência Municipal para Infecção Humana pelo novo Coronavírus. A estratégia foi criada em consonância com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e com o Plano de Contingência Estadual e Nacional para Infecção Humana pelo SARS-COV-2.

O objetivo do COE é oferecer resposta coordenada ao enfrentamento da pandemia em Cabo Frio. A análise de dados e de informações subsidiarão as tomadas de decisões do corpo técnico do COE tanto para a definição de estratégias quanto para as ações de enfrentamento de emergências em saúde pública.

“O plano é um instrumento importante porque sistematiza como o município vai agir, quais os níveis de ação, que estratégias serão usadas para cada situação de combate a pandemia, além de fornecer orientações de elaboração de planos de contingência local para diversos segmentos na cidade. É muito importante que todos façam sua parte”, ressaltou o prefeito Dr. Adriano Moreno.

O COE funciona na sede da Secretaria de Saúde, mas devido às circunstâncias da própria pandemia as discussões são realizadas remotamente via internet. De acordo com o plano, quem apresentar sintomas deve se dirigir às Unidades de Pronto Atendimento (UPA) ou a uma das 23 Estratégia em Saúde da Família (ESF) mais próxima. O corpo médico do município não precisa de reforço por ser suficiente para atendimento em casos de pandemia.

Além de implantar o COE, o plano abrange ações e orientações em áreas como vigilância dos pontos de entrada da cidade; aeroporto de Cabo Frio; deck de desembarque de cruzeiros no município; vigilância em serviços de saúde; assistência em saúde; Departamento de Regulação Hospitalar Estadual (DRE); Lacenn/RJ; Vigilância em Saúde (epidemiológica); Comunicação Social; capacitações.

Em relação à Vigilância em Saúde (epidemiológica) o principal objetivo no momento é a identificação, notificação e manejo oportuno de casos suspeitos de infecção humana pelo Covid-19 de modo a mitigar os riscos de transmissão sustentada no território nacional.

 

Estrutura de resposta do COE para o Covid-19

Baseado na definição de caso suspeito preconizado pelas organizações oficiais nacionais e internacionais de saúde, o COE prevê três níveis de resposta: alerta, perigo iminente e emergência em saúde pública. Todos levam com consideração o risco da disseminação do Covid-19 no Brasil e o impacto que pode ser causado na saúde pública municipal.

 

De maneira geral, os níveis de resposta consistem em:

  1. a) Alerta: situação em que o risco de introdução do Covid-19 no Brasil seja elevado e não apresente casos suspeitos;

 

  1. b) Perigo Iminente: em caso suspeito o município poderá requisitar bens e serviços tanto de pessoas naturais quanto jurídicas assegurada justa indenização;

 

  1. c) Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN): trata dos casos confirmados de transmissão local. É dividido em duas fases: contenção, para evitar a dispersão do vírus e para alertar a toda a rede municipal para detecção de casos suspeitos, manejo adequado dos pacientes, reforço do uso de equipamento de EPI, além de quarentena domiciliar para casos leves; e mitigação, iniciada quando Cabo Frio registrar 100 casos positivos do Covid-19.

Mais lidas da semana