Mídias Sociais

Cidades

Dona Alba é novo local de atendimento para mulheres vítimas de violência sexual em Macaé

Publicado

em

 

As mulheres vítimas de violência sexual em Macaé têm novo local de atendimento especializado do Núcleo de Atenção à Mulher (NUAM), que funciona no Centro de Especialidades Dona Alba. O funcionamento é diário, entre 8h e 17h. O local fica na sede da antiga fábrica Bariloche, na rua Governador Roberto Silveira, 108, no centro da cidade.

O NUAM oferece acolhimento e atendimento, seguido de acompanhamento multiprofissional para as demandas sociais, psicológicas e médicas ginecológicas, com o objetivo de proporcionar a reestruturação emocional e reintegração social.

A vítimas de violência também podem contar com o atendimento 24 horas no Hospital Público de Macaé (HPM). Conforme a coordenadora geral de Políticas para as Mulheres, Jane Roriz, que também coordena o CEAM, o acesso ao Dona Alba é mais uma porta de entrada no combate à violência.

"Partimos do princípio de que um atendimento acolhedor, receptivo e, acima de tudo, humano, pode ajudar a superar a violência vivenciada, e essa será nossa busca constante. A violência contra a mulher é crime", ressalta.

Um encontro do Grupo de Trabalho da Rede de Proteção e Atendimento à Mulher, com foco no tema "Violência contra Mulher" foi realizado no último dia 27 de maio. Na programação virtual foram debatidos temas relevantes que tratam das políticas públicas a abordagem "Saúde da Mulher" e sugestões de medidas que garantam maior efetividade e prioridade no atendimento às vítimas.

Na oportunidade, foi ainda celebrada a parceria entre Coordenadoria Geral de Políticas para as Mulheres por meio do Centro Especializado de Atendimento à Mulher, vinculados à Secretaria de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos e Acessibilidade, e o Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) da Secretaria Municipal de Saúde.

Para Jane Roriz, a complexidade que envolve o fenômeno da violência exige ações da família, sociedade, órgãos governamentais e não-governamentais.

"Dessa forma, temos que atuar em rede, assim o CEAM e o PAISM estarão promovendo ações conjuntas que envolvem trocas de informação técnica sobre a violência e formando vínculos e conhecimento das ações de cada serviço desenvolvido no município para não só compreender, mas também atuar no enfrentamento da violência contra a mulher", finaliza.

Foto: Rui Porto Filho/PMM.

Mais lidas da semana