Mídias Sociais

Caderno D

Cultura e arte na periferia de Macaé: CEU Malvinas oferece atividades a toda população

Publicado

em

 

Atividades esportivas também estão presentes no dia a dia de crianças e adolescentes. Futuramente, local contará com telecentro

Daniela Bairros

Quem conhece a periferia de Macaé sabe que as comunidades enfrentam problemas de infraestrutura e de segurança. Mas a realidade de crianças, adolescentes e até mesmo adultos, está mudando, e para melhor, na Comunidade Malvinas, em Macaé.

Há quatro meses, o CEU (Centro de Educação e Artes Integradas) foi construído no final da rua principal da comunidade e, hoje, os moradores podem ter acesso à cultura e arte. Oficialmente, o local será inaugurado no final do mês de junho, com a implantação de um telecentro.

São inúmeras as atividades culturais e esportivas oferecidas não só a comunidade local, já que CEU  é aberto para moradores de outros bairros também.

As atividades oferecidas são divididas nos dias da semana. Às terças-feiras, o publicitário Helder Santana ministra duas oficinas, contação de histórias e exibição de curtas metragens.

Nessa semana, por exemplo, o publicitário, que participou da produção do documentário “Vivendo com Lúpus”, exibiu o curta a um público bastante interessado em aprender mais sobre o tema. “É muito importante levar a informação e alcançar o maior número de pessoas possível no bairro. Trazer para o CEU Malvinas um trabalho como esse tem um único objetivo: ajudar no diagnóstico rápido e apoio motivacional aos pacientes e familiares”.

Ainda segundo Hélder, que também integra o setor de produção da Secretaria Municipal de Cultura, o CEU Malvinas oferece ainda atividades de reforço escolar, aulas de inglês e exibição de filmes infantis, além de uma biblioteca completa, aulas de balé, arte circense, jiu-jitsu, contando ainda com quadra coberta, salas de multiuso, cineteatro, pista de skate e o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social).

O CEU, ainda de acordo com Hélder, está presente em 42 cidades do Estado do Rio de Janeiro e Macaé foi uma das escolhidas. Fruto de uma parceria entre Governo Federal e Poder Público Municipal, o centro, para a Secretária de Cultura de Macaé, Tânia Jardim, veio para proporcionar a integração com a comunidade, o que beneficia, e muito, os moradores da localidade.  “A  iniciativa é bastante positiva, pois interagi o educacional e o social. E a periferia precisa disso. Oferecer atividades culturais e esportivas a crianças, jovens e adultos daqui da Malvinas, contribui até com a melhora da autoestima da população. Fico feliz por ter dado certo, por estar dando certo. Agora, a expectativa é que outros centros como este sejam criados em toda a cidade”.

 

 

Crédito: Igor Faria

 

 

Mais lidas da semana