Mídias Sociais

Artigos

Uma reflexão sobre a consciência

Publicado

em

 

Em nossa missão de pais e educadores, quando definimos o ideal de modelo de pessoa humana que queremos ajudar a construir com nossas ações educativas, a questão consciência se destaca. Em nossos sonhos e utopias expressamos sempre o desejo de lutar pela construção de uma consciência crítica para os jovens. Uma consciência que ofereça a eles condições para avaliarem, com clareza e senso ético, os acontecimentos e favoreça-os na atuação sobre os mesmos objetivando a superação de tudo que escraviza ou determina uma posição “marionete” frente à realidade.

Como podemos perceber, a questão consciência é presença significativa em nossas vidas. Agora, é preciso que aprofundemos a reflexão sobre a consciência a partir de três pontos fundamentais; o mistério da consciência, o ser humano como consciência e a importância da consciência para o cotidiano juvenil.

Precisamos saber que a consciência é a resposta que cada um de nós pode dar às seguintes perguntas: Por que eu sou o que sou? Por que aquilo que me rodeia é assim? Com os questionamentos, duas implicações relativas ao mistério da consciência tornam-se definitivas para todo pai, para todo educador.

A primeira diz respeito ao início e a existência da consciência. É sabido que a consciência tem sua origem no momento em começamos a perguntar: Por que eu sou o que sou? Por que aquilo que me rodeia é assim? A consciência será aquilo que cada um possa produzir a partir das perguntas feitas.

É claro que jamais conseguiremos responder completamente a essas perguntas. Na vida, estaremos continuadamente respondendo-as, caracterizando um processo contínuo da construção da consciência.

A segunda implicação quanto ao mistério da consciência refere-se ao que acontece com quem nunca pergunta. Será que não possuem consciência? Claro que possuem, eles estão “adormecidos”, condicionados, possuindo uma consciência espelho, reflexo, porquanto não fazem acontecer, estão sempre incorporando teorias, explicações de mundo e de pessoa humana, nascidas fora de suas experiências questionadoras e pessoais. Agora, vale ressaltar que o momento da conscientização pode chegar para todos.

Depois de analisarmos o mistério da consciência e suas duas implicações em nossas vidas, vamos refletir sobre o ser humano como consciência. Todo ser humano nasce como potência, como ser inacabado, que se realiza à medida que estabelece relações com o mundo e os outros. Porém, nem toda pessoa é capaz de assumir a condução de tal processo, muitos ao se relacionarem com o mundo e os outros não conseguem perceber a realidade como algo incompleto, que exige de todos uma postura histórico-crítico-utópica, São os que percebem equivocadamente a realidade, acreditando que ela é algo determinado.

Finalizando gostaria de abordar algo sobre a importância da consciência para a juventude. Nós, pais e educadores, quando assumimos uma posição favorável pela formação de jovens conscientes, cidadãos, estamos reafirmando a importância da consciência na vida dos mesmos. Uma importância que é vital para que eles possam se realizar como pessoa humana. Ao realizar-se como pessoa humana, o jovem consciente enxerga o mundo como espaço em construção, onde inexiste o “determinismo absolutizado” e os limites, tão renegados, são assumidos como referenciais, jamais impossibilidades.

Professor José Augusto Abreu Aguiar

 


 

Mais lidas do mês