O planejamento para 2018 conta com pagamentos em dia, reforma de escolas e inauguração de quatro novas unidades. 

O ano de 2018 começou de forma positiva para a educação de Cabo Frio, com o pagamento do 1º mês do ano e 1/3 das férias sendo depositados antes do 5º dia útil do mês de fevereiro. Em entrevista ao Diário da Costa do Sol o secretário de educação, Alessandro Teixeira, detalhou as contas de 2017 e afirmou que acredita que 2018 seguirá com outras notícias positivas, apesar das dificuldades.

Alessandro ressalta que atualmente, o desafio da secretaria é trabalhar pensando em três anos dentro do período de um ano. “Hoje trabalhamos pensando em encerrar 2017, em iniciar e dar seguimento a 2018 e começar o planejamento para 2019. A secretaria de educação de Cabo Frio é uma das maiores em questão de estrutura de toda a Região dos Lagos e administra-la é uma questão complexa. Só estamos conseguindo trabalhar graças ao esforço de cada um. Temos sorte em ter uma equipe muito boa, que se empenha todos os dias para fazer o melhor”, enfatizou.

Prestando contas de 2017 – Apesar do trabalho incansável da equipe da secretaria de educação junto com a secretaria de fazenda e o Prefeito Marquinho Mendes não foi possível findar todas as dívidas com os profissionais da educação.

Em 2017, a secretaria de educação gastou o montante de R$201.274.498,54 com folha de pagamento. Deste valor R$ 44.559.093,60 foram referentes a dívidas deixadas pela gestão anterior.

O secretário explica que para conseguir pagar parte desta dívida foram utilizados R$ 15.128.644,26 de verba oriunda do FUNDEB, porém R$ 29.430.499,35, ou seja, mais da metade foi paga com recursos próprios do município. Esse rombo nos cofres públicos, que gerou um gasto muito além do planejado, foi o principal motivo para que o município tivesse dificuldade em manter o pagamento em dia.

Hoje, o debito da secretaria com os servidores é de R$ 4.374.107,58 referente ao pagamento das duas últimas parcelas do 13º salário de 2015. Além de R$3.165.411,57 referente a isonomia salarial dos contratados de 2017; E o 13º salário de 2017.

O secretário afirmou que todos os esforços estão voltados para que essas dividas possam ser pagas e deixadas no passado o mais rápido possível.

Ano letivo – Entre os dias 22 e 28 de fevereiro serão realizadas as novas matriculas para alunos que ainda não fazem parte da rede municipal de Cabo Frio. Uma força tarefa está sendo montada para atender essa demanda. De acordo com o secretário, Alessandro Teixeira, a previsão é de que o número de alunos suba dos atuais 32 mil para 35 mil.

O ano letivo de 2018 deve começar no dia 12 de março e encerrar ainda em 2018. Para isso, é necessário que todas as unidades escolares concluam os 200 dias letivos. Até agora, 26 escolas concluíram o calendário.

“Nós encerramos o ano letivo de 2016 em 2017; Agora estamos encerrando o ano letivo de 2017 em 2018. Nossa expectativa é que este ano letivo comece em março e seja encerrado em 2018, mesmo sendo necessário alguns sábados letivos”, reforçou o secretário.

Melhorias para a educação – As notícias positivas para educação não são somente referente ao pagamento de salário. O município pretende investir 22 milhões e meio em reformas nas unidades escolares, além da inauguração de quatro novas escolas ainda neste ano.

Duas escolas irão atender ao condomínio do Minha Casa Minha Vida e serão inauguradas no dia 09 de março. Uma unidade será creche em tempo integral, enquanto a outra atenderá ao primeiro segmento.

A Escola Alfredo Castro, localizada do Jardim Caiçara, será contemplada com um novo prédio próprio. A mudança visa atender a demanda da unidade. A previsão é que essa mudança ocorra ainda em março.

E a “Nova Samburá” construída na Rua 12, em Tamoios, 2º Distrito, também deve ser inaugurada este ano. A unidade atenderá ao 1º segmento da educação e terá 14 turmas para educação infantil.

Também foram definidas algumas mudanças em determinadas escolas com o intuito de oferecer uma estrutura melhor. Os alunos da Escola Santos Anjos, que cursavam entre o 6º e o 9º ano foram transferidos para unidades próximas, enquanto a escola passou a atender somente a pré-escola.

Essa mudança faz parte do projeto de formar um “cinturão educacional” em cada região. Atendendo a necessidade dos responsáveis e alunos de todo o município.

“A ideia é conseguir montar toda a estrutura educacional em uma mesma região para que quando o aluno mudar de segmento não seja necessário ir para longe”, explicou Alessandro.

A Escola Luis Lindenberg também está dentro das mudanças planejadas. A unidade ficará atendendo somente do 6º ao 9º para que uma grande reforma seja realizada. Uma emenda parlamentar foi liberada e serão destinados mais de um milhão para a reforma da escola.

Thaiany Pieroni