O motivo é a falta de material para analisar o DNA da vítima. 

A família de uma das vítimas de um acidente ocorrido no Natal, na Avenida Brasil, continua sem conseguir enterrar o corpo. O motivo é a falta de material para realizar um exame de DNA. O exame é necessário para liberação do corpo em casos onde a vítima é encontrada carbonizada.

A situação é similar ao caso da cantora Loalwa Braz, que foi encontrada dentro do seu carro queimada em janeiro do ano passado. Seu corpo só foi liberado em março, depois de muita luta por parte da família. Na ocasião, a demora para a retirada do material genético do corpo de Loalwa ocorreu pela falta de nitrogênio líquido, reagente usado no exame de DNA.

Sobre o acidente – Francinne Azevedo, que foi encontrada carbonizada, estava com o marido, o filho e sua afilhada voltando de carro para São Pedro da Aldeia, onde moravam, após passar o Natal em Irajá. Quando passavam pela Avenida Brasil foram atingidos por um caminhão, que entrou na contramão. Os quatro morreram no local.

Os demais corpos já foram liberados e agora a família aguarda a liberação de Francinne para que possam realizar o enterro junto com os demais membros da família.