Quase um mês após formalizarem o contrato com a prefeitura, eles já fazem planos para o futuro

Bertha Muniz

 

Morando nas ruas de Macaé, eles viviam sem esperanças de um futuro melhor, mas uma oportunidade de emprego surgiu e eles agora fazem novos planos. No início deste mês 54 moradores em situação de rua do município, formalizaram um compromisso de trabalho com prefeitura. Eles têm histórias diferentes, mas a mesma disposição para trabalhar e vencer na vida. Todos são assistidos de projetos da prefeitura como a Pousada da Cidadania, o Centro Pop e o abrigo de inverno e trabalham na função de servente, lotados na secretaria de Infraestrutura do município.

 

Ao todo 68 pessoas em situação de rua participaram da seleção. Deste total, 54 foram selecionados. Um deles é Samuel de Oliveira Pacheco, de 34 anos. Morador de rua por três anos, ele ficou dois meses no abrigo de inverno da Prefeitura de Macaé. Dias após assinar o contrato de trabalho, ele foi morar com um amigo, com que ele espera dividir as contas da casa. “Fui muito ajudado pelas pessoas e agora chegou minha hora retribuir e ajudar também”, avalia. Samuel é natural de Campos dos Goytacazes, mas mora em Macaé há pouco mais de 18 anos.

 

Com formação técnica em Informática e Logística pelo Senac, ele trabalhou em grandes empresas, mas depois de perder o emprego teve que ir morar nas ruas. Com uma inteligência impressionante, ele contou os dias que esteve desempregado: quatro anos, sete meses, três semanas e três dias. “Morei até acampado em uma mata na Ajuda. Foram anos difíceis. Quando surgiu essa oportunidade custei a acreditar, pois já havia recebido muitas promessas. No dia que eu soube que havia sido selecionado chorei de alegria. Agradeço muito por essa oportunidade e estou valorizando cada dia de trabalho”, contou emocionado.

 

 

Uma das exigências do contrato é que os novos trabalhadores saiam dos abrigos e aluguem um espaço para morar. A iniciativa visa resgatar a dignidade de cada um deles. “Dez dias após o primeiro pagamento, os assistidos devem estar com residência fixa. Mas antes disso, muitos já saíram do abrigo e alguns foram morar juntos, dividindo o aluguel e as contas. É uma maneira deles terem responsabilidade sobre o próprio dinheiro e darem os primeiros passos rumo a independência financeira. Isso melhora a autoestima de todos”, destaca a secretária de Trabalho e Renda, Ana Lúcia Ribeiro.

 

 

A iniciativa fez bem para cada um dos 54 novos trabalhadores, mas o município também ganhou com essa contratação. Segundo o subsecretário de Infraestrutura, Hanz Vieira, o reforço de peso vem ajudando e muito nas ações de limpeza e manutenção de toda a cidade. “Nós é que saímos ganhando. São profissionais que se destacam pelo esforço e empenho em todas as atividades. Estão sempre dispostos a trabalhar e felizes com a oportunidade. Vieram para somar, acrescentando muito na qualidade do nosso serviço”, pontuo o secretário.

 

Para formalizar estes trabalhadores, uma espécie de força-tarefa foi montada. A assistente-social Carla Carvalho, do Centro Pop, realizou todo o processo de triagem dos profissionais, traçando o perfil de cada morador em situação de rua. Já a servidora Ivonete Pereira, trabalhou incansavelmente para conseguir a documentação de cada um deles. Foram dezenas de pesquisas em escolas e cartórios de várias regiões do país para conseguir alguma documentação que os habilitasse a tirar os documentos exigidos, já que a grande maioria não possuía nenhuma documentação. Graças à dedicação de um grupo esforçado, todos hoje possuem identidade, CPF, carteira de trabalho e certificado de reservista.

 

Natural de Salvador, na Bahia, Domingos Senna, de 44 anos, comemora a oportunidade de trabalho. “Era tudo o que eu queria na vida, já tinha perdido as esperanças”, disse Domingos, que morava na Pousada da Cidadania e com o contrato com a prefeitura já alugou uma casa na Malvinas.